Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Após briga com estilete, estudantes fazem protesto por mais segurança e diálogo em escola pública na Pompeia

Agressor foi detido e estilete apreendido na segunda-feira

Alunos de escola estadual fazem ato por mais segurança após briga com estilete. Foto: Divulgação/G1

Publicado às 12h

G1 São Paulo

Cerca de 250 estudantes da Escola Estadual Zuleika de Barros Martins Ferreira, localizada na Pompéia, Zona Oeste de São Paulo, fizeram um protesto na manhã desta terça-feira (27) por maior segurança, diálogo e comunicação na escola, segundo informaram os alunos. O ato ocorre após uma briga entre dois estudantes com estilete na segunda-feira (26) acabar na delegacia e com um estudante ferido.

Segundo alunos ouvidos pelo G1, os alunos pedem uma reunião com a coordenação para discutir medidas de segurança na escola. Ao telefone, atendentes da escola informaram à reportagem que a direção não poderia falar sobre o ocorrido.

A Secretaria Estadual de Educação confirmou a briga e que um boletim de ocorrência foi registrado no 23º Distrito Policial (Pompéia), para onde foi levado detido um aluno de 19 anos envolvido na briga. Um aluno de 17 anos foi ferido pelo estilete pelo aluno de 19 anos.

Ele foi socorrido pronto-socorro da Barra Funda, onde recebeu o atendimento.

Segundo o boletim de ocorrência, os dois jovem brigaram durante o intervalo entre as aulas, por volta das 10h50 de segunda-feira na escola, localizada na rua Padre Chico, em Perdizes.

Foto: Google Maps/Reprodução

A Polícia Militar foi acionada para atender ocorrência de desinteligência e, conforme relatou um coordenador de ensino, os alunos haviam brigado e um deles se feriu com estilete. O estilete do agressor foi apreendido.

O caso foi registrado como lesão corporal e os envolvidos passaram por exame de corpo de delito.

Segundo a Secretaria Estadual de Educação, “a Diretoria Regional de Ensino Centro lamenta o caso”. Oos responsáveis pelos alunos envolvidos participarão “de uma reunião com a direção da escola e membros da Associação de Pais e Mestres (APM)” para decidir quais medidas educacionais poderão ser adotadas.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.