Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Com Doria, homicídios voltam a crescer em SP após 13 meses de queda

Número de vítimas passou de 277 em janeiro de 2018 para 284 no mesmo mês em 2019

O general João Camilo Pires de Campos (Segurança) ao lado do governador João Doria, durante evento em São Paulo. Foto: Charles Sholl/Brazil Photo Press/Folhapress

Publicado às 9h20

Folha de SP

Depois de 13 meses seguidos de queda, a maior sequência desde 2011, os homicídios dolosos (intencionais) voltaram a crescer em São Paulo em janeiro deste ano, no primeiro mês da gestão João Doria (PSDB) à frente da segurança pública. Também houve aumento no número de estupros e furtos.

De acordo com dados divulgados pelo governo paulista na tarde desta segunda (25), os assassinatos tiveram uma elevação de 2,5% em relação ao mesmo período de 2018. Em números absolutos, eles foram de 277 vítimas, em janeiro do ano passado, para os 284 registrados em janeiro de 2019.

Além desses crimes dolosos contra vida, também houve em São Paulo a elevação de 3,6% nos registros de estupros no início do ano, o que representa 37 casos a mais que no ano anterior. Em janeiro de 2018 foram relatados 1.304 crimes dessa natureza, contra 1.071 reclamados agora.​

Os furtos (gerais), crimes cometidos sem violência, também tiveram aumento de 5,7%, saltando de 42.622 casos registrados em janeiro do ano passado, para 45.033 de 2019.

São Paulo também teve, por outro lado, queda nos crimes como latrocínio (26%), nos roubos em geral (8,5%), e nos furtos de veículo (12%). Entre esses dados positivos está a nova redução nos roubos de carga (17,8%), a 17º queda seguida, numa tendência iniciada em setembro de 2017.

Os roubos de carga foram de 742 registros, em janeiro do ano passado, para 610 neste ano.

Ao contrário do que havia se tornado rotina desde a gestão Fernando Grella (entre novembro de 2012 e dezembro de 2014), os dados estatísticos não foram apresentados pelo secretário da Segurança. Procurado, o atual chefe da pasta, João Camilo Pires de Campos, não explicou se vai abandonar essa tradição.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.