Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Covas remarca para agosto leilão de privatização do Anhembi

Novo edital será publicado nesta sexta (12) atendendo exigência do TCM

Complexo do Anhembi. Foto: Gabriel Cabral/Folhapress

Publicado às 9h50

Folha de SP

A Prefeitura de São Paulo remarcou para o dia 16 de agosto o leilão de privatização da SPTuris, empresa oficial de turismo e eventos da cidade, que administra o Anhembi.

O novo edital será publicado na sexta-feira (12) pela gestão Bruno Covas (PSDB) no “Diário Oficial do Município” e atenderá a exigência do Tribunal de Contas do Município (TCM) de estipular um valor mínimo de R$ 1,45 bilhão para a venda do complexo.

A prefeitura paulistana acatou a determinação, embora considere que a decisão do TCM se baseou em estudos inadequados feitos pelo Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) e que o valor mínimo fixado, na prática, inviabilizará a privatização.

”Vamos apresentar [o edital] para provar ao tribunal que o valor é inadequado”, afirmou à Folha na semana passada Mauro Ricardo, secretário de Governo de Covas . “A não ser que o Creci queira comprar o Anhembi por R$ 1,45 bilhão.”

Poderão participar do leilão empresas brasileiras e estrangeiras, bem como instituições financeiras e fundos de investimento em participações. Será declarado o vencedor aquele que oferecer o maior valor a ser pago pelo lote único das ações.

O piso de R$ 1,45 bilhão é 36% ou R$ 522 milhões maior do que a avaliação mais otimista obtida pela prefeitura sobre o Anhembi, em estudo realizado pela Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS), empresa ligada ao governo paulista.

Em sua análise, a CPOS afirma considerar como “baixa” a atual condição de liquidez do Anhembi, considerando a situação da economia do país. Outro fator levado em conta para essa conclusão é o porte do Anhembi. Apenas um seleto grupo de incorporadoras teriam condições de entrar na disputa pela compra, de acordo com o trabalho.

Inaugurado por ocasião do Salão do Automóvel em 1970, o complexo tem cerca de 376,9 mil metros quadrados e é formado pelo Sambódromo, o Pavilhão de Exposições e o Palácio das Convenções.

O eventual futuro comprador terá de preservar o Sambódromo e será obrigado, de acordo com a legislação, a abrigar o Carnaval e outros eventos de interesse da cidade em até 75 dias por ano.

No voto que baseou a decisão do colegiado do Tribunal de Contas do Município sobre o valor mínimo, o conselheiro Domingos Dissei afirmou que o Anhembi “é um dos mais valiosos e significativos ativos da cidade”.

Citando a localização privilegiada, afirmou que a operação é atrativa para o mercado. “Tenho convicção de que é um valor justo, considerando o interesse público e a efetiva busca do resultado mais vantajoso para a administração”.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.