Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Doria anuncia ministros de Temer para Educação e Cultura do Governo de SP

Tucano assumirá gestão estadual em 1º de janeiro, em substituição a Márcio França (PSB)

Rossieli Soares da Silva será o novo secretário de Educação. Foto: Bruno Santos/Folhapress

Publicado às 9h30

Folha de SP

O governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta terça-feira (6) dois atuais ministros do governo Michel Temer (MDB) como futuros secretário de sua gestão no estado de São Paulo.

O tucano assumirá o cargo em 1º de janeiro, em substituição a Márcio França (PSB). Durante a campanha eleitoral, Doria usou a gestão Temer para atacar adversários. Em debates e programas de rádio e TV, por exemplo, buscou desgastar seu adversário na corrida estadual, Paulo Skaf (MDB), ao associá-lo ao presidente da República.

Para a educação estadual, Doria escalou Rossieli Soares da Silva, titular do Ministério da Educação desde abril passado, quando substituiu Mendonça Filho. Rossieli ocupava anteriormente a secretaria de educação básica do MEC. Ele já foi secretário de Educação do estado do Amazonas.

Já o titular da pasta de Cultura será o atual ministro da pasta federal, Sérgio Sá Leitão.

“A nossa qualificação [para a escolha] é pelo currículo de cada um deles e pela possibilidade de contribuir efetivamente com São Paulo”, disse Doria, ao ser questionado sobre a escolha por ministros de Temer. “Aqui, nós não vamos pensar pequeno. Ao formar um time, nós estamos qualificando o melhor time de secretários para o governo de São Paulo”.

Um dia antes, Doria já havia anunciado outro ministro de Temer para o seu governo. O ex-prefeito da capital paulista Gilberto Kassab (PSD), atual ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, assumirá a Secretaria da Casa Civil.

Kassab tornou-se réu em setembro deste ano devido a ação do Ministério Público do Estado de São Paulo que o acusa de ter recebido via caixa dois o valor de R$ 21 milhões durante campanha para prefeito em 2008. Doria e Kassab disseram que as acusações não influenciarão em nada no mandato. ​

Questionado se Temer e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) podem integrar seu governo, Doria afirmou que são “dois grandes nomes”, mas que não foram convidados para secretarias.

Doria chegou a fazer propagandas na TV acusando Skaf de esconder Temer, o que irritou o presidente. Temer chegou a fazer um vídeo direcionado a Doria.  “Você tem usado a propaganda eleitoral e inserções para fazer criticas diretas ou indiretas ao meu governo. Ou seja, está se desmentindo, porque, ao longo do tempo, você, inúmeras vezes, elogiou o meu governo”, disse Temer.

Após polarizar durante as eleições, o tucano assumiu um discurso mais conciliador. “Todas as escolhas de secretários tomam como referência capacidade, conhecimento e eficiência de gestão. A nenhum secretário perguntei e vou perguntar: qual é o partido, qual é a ideologia e se votou ou não votou em João Doria”, disse.

DIVERGÊNCIA

Doria e o novo secretário de Educação demonstraram ter visões diferentes em relação ao projeto Escola sem Partido.

O governador eleito disse ser favorável ao projeto. “Escola é lugar de aprendizado, não é lugar para se fazer política. Política se faz fora da escola”, disse Doria, embora tenha abrandado o discurso, ao afirmar não saber se o veto a partidarização na escola será feito “com projeto [Escola sem Partido] ou sem projeto”.

Já o futuro secretário da Educação afirmou considerar a lei desnecessária. “A minha declaração é que falei que não precisamos de uma lei. Temos instrumentos para isso. Não pode ter partidarização na escola”, disse.

Segundo ele, há canais internos e externos na escola para tratar de eventual uso partidário do espaço escolar.

Mozart Neves Ramos, educador do Instituto Ayrton Senna, que era cotado para ocupar a pasta da Educação, atuará como presidente do conselho estadual na área de educação.

​O ministro Sá Leitão assumirá a pasta sob outro nome, que agora será Secretaria de Cultura e Economia Criativa. “São Paulo é hoje já é responsável por boa parte do PIB cultural e criativo do nosso país. Cerca de 40% de todos os empregos criados pela economia criativa brasileira são criados em São Paulo”, afirmou.

O ministro afirmou ser favorável ao projeto Escola Sem Partido. “Eu acho que há alguns casos preocupantes em que salas de aula são usadas como palanque político-eleitoral”, disse.

Doria também anunciou a extinção da Secretaria de Governo. Segundo ele, outras secretarias deixarão de existir em um projeto de sua gestão de tornar a máquina pública mais enxuta. As atribuições da secretaria de Governo serão assumidas pelo vice-governador Rodrigo Garcia (DEM).

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.