Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Falta de remédio no SUS deixa até transplantado desprotegido em SP

Gestão Márcio França culpa ministério, que só admite atraso para hepatite C

A dona de casa Aline Ribeiro, 39, e seu filho, Marcus Vinicius Ribeiro, 18, que fez transplante de rim há três meses. Foto: Ronny Santos/Folhapress

Publicado às 11h

Folha de SP

Diversos remédios de alto custo estão em falta na rede pública de São Paulo. A Secretaria Estadual da Saúde, da gestão Márcio França (PSB), confirmou que há problemas de abastecimento dos medicamentos riluzol (esclerose), leflunomida (artrite reumatoide), tacrolimo (transplantados de rim) e remédios para hepatite C.

O estudante Marcus Vinicius Flausino de Andrade Ribeiro, 18 anos, morador do bairro Parque das Nações, em Santo André (ABC), realizou o transplante de rim há três meses e precisa tomar sete cápsulas por dia do medicamento tacrolimo, utilizado para evitar a rejeição.

Sua mãe, a dona de casa Aline Ribeiro, 39 anos, costumava retirar o remédio todos os meses na farmácia de alto custo localizada no Hospital Estadual Mário Covas, localizado na cidade. A retirada é de 210 unidades mensais, em duas caixas e uma cartela.

“O agendamento para a gente pegar o remédio era no dia 17, mas informaram que estava em falta e não tinha previsão de chegar. Desde então, eu ligo ou vou até o hospital todos os dias para saber se está normalizado. Até agora, nada foi resolvido”, afirma Aline.

Seu filho precisa tomar quatro cápsulas pela manhã e as outras três à noite. Por causa da falta de abastecimento, Aline teve de desembolsar R$ 590 para comprar uma caixa de tacrolimo, que contém 100 cápsulas.

“Não temos condições de ficar comprando esse tipo de remédio, é muito caro. Estamos desesperados para que possa ser fornecido novamente de graça”, conta a dona de casa.

Sobre a hepatite C, a Justiça Federal determinou que o Ministério da Saúde entregue ao estado os lotes de medicamentos e que cumpra o cronograma de entrega trimestral.

Segundo o Ministério Público Federal, 4.600 pacientes aguardam a chegada desses remédios para iniciar o tratamento. Não houve entrega desde julho.

OUTRO LADO

A Secretaria Estadual da Saúde, da gestão Márcio França (PSB), alegou que os medicamentos riluzol, leflunomida e tacrolimo são distribuídos aos estados pelo Ministério da Saúde e a entrega está irregular por parte do órgão federal.

A pasta disse que solicitou ao ministério 297 mil comprimidos de riluzol, 1,1 milhão de leflunomida e 8,4 milhões de tacrolimo para serem entregues em 20 de setembro. Diz que o riluzol não chegou até o momento e que, somente na semana passada, chegaram leflunomida e 35% do pedido de tacrolimo.

O Ministério da Saúde, gestão Michel Temer (MDB), disse que os remédios riluzol, leflunomida e tacrolimo estão regulares em todo o país. Sobre os medicamentos para hepatite C, disse que fará pregão no dia 31 para normalização.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.