Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Irmão diz que entregador de Pirituba morto depois de sofrer AVC durante entrega trabalhava mais de 12 horas por dia

Motoboy Thiago de Jesus Dias sofreu AVC na noite de sábado (6) enquanto trabalhava para a Rappi, mas familiares afirmam que só foram procurados pela empresa na noite de quarta-feira (10)

Thiago de Jesus Dias, de 33 anos, sofreu um AVC na noite de sábado (6) enquanto fazia entregas para o aplicativo Rappi. Foto: Arquivo pessoal/Daiane de Jesus Dias

Publicado às 11h40

G1 São Paulo

Os irmãos do entregador Thiago de Jesus Dias, de 33 anos, que morreu nesta segunda feira (8) após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) durante uma entrega em Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo, afirmaram que ele tinha jornadas extenuantes e trabalhava mais de 12 horas por dia. Ele deixou a mulher e uma filha de 6 anos.

Thiago teve convulsões e desmaiou em frente ao prédio da advogada Ana Luisa Pinto no sábado (6). A cliente buscou auxílio da Rappi, empresa para qual o motoboy prestava serviço, mas a atendente apenas pediu que Ana Luisa desse baixa no pedido, para que os próximos clientes soubessem que não receberiam suas encomendas no horário previsto.

“Eram jornadas de mais de 12 horas de trabalho, uma rotina muito cansativa. E era de segunda a segunda, porque era difícil ele tirar uma folga”, afirma Isaque de Jesus Dias, irmão caçula de Thiago.

Thiago trabalhava fazendo entregas para a Rappi havia cerca de dois anos, segundo familiares. Ele saía de casa pela manhã e muitas vezes trabalhava até a madrugada, já que a maioria dos pedidos é feita no período noturno.

Quando o entregador sofreu o AVC, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu), da Prefeitura de São Paulo, foi procurado pelo menos duas vezes, mas nenhuma ambulância foi enviada ao local.

Um motorista de Uber foi chamado para levar a vítima ao hospital, mas se recusou porque o entregador estaria sujo e molhado após urinar em si mesmo enquanto passava mal. Foram quase duas horas de espera até a irmã de Thiago, Daiane de Jesus Dias, conseguir levar o entregador para o Hospital das Clínicas, com ajuda de amigos que foram de carro ao local.

Em nota, a Rappi afirma que lamenta profundamente a morte de Thiago e que está em contato com e à disposição de seus familiares. No entanto, a família relata que só foi procurada pela empresa na noite de quarta-feira (10) – o AVC ocorreu na noite de sábado (6) e a morte encefálica de Thiago foi confirmada na manhã de segunda-feira (8).

“A Rappi só nos procurou ontem por volta das 20h30, depois que o caso já tinha uma proporção muito grande por conta das redes sociais. Eles falaram que orientaram a Ana Luisa para levar o Thiago para o hospital, mas isso nunca aconteceu”, diz Isaque. “Outros motoboys que estavam passando na região naquela hora também ligaram para a Rappi e nenhum deles recebeu orientação do que fazer.”

‘Rotina cansativa’

Os irmãos de Thiago contam que o motoboy passou o sábado com a família até sair para fazer entregas, por volta das 19h30. “Ele não relatou nenhum desconforto, saiu se sentindo bem”, diz Isaque, irmão mais novo do entregador.

O rapaz sofria de pressão alta, mas nunca havia tido nenhum tipo de mal estar durante o trabalho ou em companhia da família, segundo os irmãos.

“A gente sabia que ele tinha pressão alta mas nunca tinha tido nenhum problema, nenhum acidente durante o trabalho”, diz Daiane.

Segundo a irmã, a rotina de Thiago era “bem cansativa” mas o irmão era reservado e não contava detalhes do dia-a-dia como entregador.

“Tinha dias que ele só chegava no meio da madrugada, e ele sempre saía de manhã. Então eram mais de 12 horas por dia, todos os dias, porque de final de semana tinha mais demanda”, explica Daiane.

Fatalidade

Para os familiares de Thiago, o AVC que causou sua morte poderia não ter sido fatal se as circunstâncias do socorro fossem diferentes.

“A médica do Hospital das Clínicas falou que talvez, se ele tivesse sido atendido prontamente, poderia ter chance de tirar o coágulo. Ela falou que o frio também atrapalhou porque ele estava na rua, na calçada, esperando ajuda”, diz Isaque.

No último sábado a capital registrou a terceira noite mais fria do ano: os termômetros marcaram 7,4ºC, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O entregador Thiago de Jesus. Foto: Arquivo pessoal

Atendimento demorado

A primeira ligação para o Samu foi feita por Ana Luisa quando Thiago ainda estava consciente. Ele relatou dores de cabeça, náuseas e pressão baixa e, pouco depois, desmaiou na calçada do prédio.

“Parecia que ele estava tendo uma convulsão, seu corpo e membros todos rígidos e sua respiração bastante dificultada, fazia bastante barulho”, relata Ana Luisa.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, o chamado ao Samu foi feito às 22h15 do sábado. “O caso foi registrado como dor de cabeça e classificado com prioridade média, recebendo o acompanhamento pela central até ser cancelado com a informação de que o paciente foi removido em automóvel particular”, afirma a secretaria.

A Coordenação do Samu diz que lamenta o ocorrido e que um procedimento interno de apuração foi aberto para investigar o atendimento. “Após sua conclusão a direção do órgão irá adotar as medidas cabíveis”, afirma.

A advogada que socorreu Thiago, no entanto, relata que destacou a gravidade do caso durante o contato com o Samu.

“Viramos ele de lado para que ele não se engasgasse e disparamos mais ligações para o Samu e Bombeiros. Fizemos todos os testes que nos orientaram pelo telefone e enfatizamos diversas vezes a urgência do caso”, explica.

Diante da demora da ambulância, a irmã de Thiago, que chegou ao local para ajudar o irmão depois de ser contatada por Ana Luisa, resolveu pedir um Uber para levá-lo a um hospital.

“O motorista já tinha colocado meu irmão no carro, já tinha aceitado a corrida, mas ele fez a gente tirar ele de dentro do carro, do banco de trás, porque ele estava sujo e molhado”, diz Daiane.

No domingo (7), Daiane entrou em contato com a Uber para reclamar do comportamento do condutor. Por email, a empresa respondeu dizendo que tomaria “todas as medidas cabíveis” em relação ao motorista parceiro.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Uber, que não se manifestou até o momento.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.