Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Lava Jato prende o ex-presidente Michel Temer

Ordem de prisão, que também atinge o ex-ministro Moreira Franco, foi emitida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do RJ

Publicado ás 13h10

Por Veja Redação

 

A força-tarefa da Operação Lava Jato prendeu na manhã desta quinta-feira, 21, o ex-presidente da República Michel Temer (MDB). O ex-ministro Moreira Franco também foi preso no Rio de Janeiro.

As ordens de prisão foram emitidas pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, e o processo está sob segredo de Justiça até o término do cumprimento dos mandados pela Polícia Federal.

O ex-presidente foi preso em sua casa, em São Paulo, e levado pela Polícia Federal para o aeroporto de Guarulhos, de onde segue para o Rio de Janeiro.

Ao todo, a PF cumpre oito mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 26 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Distrito Federal.

Desde dezembro de 2015, o juiz Marcelo Bretas é responsável pelo processo decorrente da Operação Radioatividade, que investiga um esquema de corrupção na Eletronuclear envolvendo as obras da usina de Angra 3.

O caso havia saído das mãos do então juiz Sergio Moro, no fim de outubro daquele ano, após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki determinar que o processo da Eletronuclear fosse separado do que investiga o esquema de corrupção na Petrobras.

Bretas também responde pelo processo relacionado à Pripyat, deflagrada para desmantelar uma quadrilha que atuava na Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras responsável pela geração de energia nuclear.

Michel Miguel Elias Temer Lulia, paulista de Tietê, foi eleito vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff em 2010, e reeleito em 2014. Em 2016, com o impeachment da petista, assumiu a presidência.

No final do ano passado, antes de seu mandato terminar, Temer foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia foi apresentada no inquérito que investigou irregularidades na edição de um decreto que beneficiou empresas do setor portuário.

Enquanto ocupou a presidência, Temer foi denunciado outras duas vezes pela PGR. Ambas foram rejeitadas pela Câmara dos Deputados: a primeira se baseou nas delações de executivos da JBS; a segunda, apontava o presidente como integrante de uma organização criminosa para desviar dinheiro de estatais — no caso que ficou conhecido como “quadrilhão do PMDB”.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.