Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Mulher de Haddad, Ana Estela é cotada para disputar Prefeitura de SP em 2020

Dirigentes do PT devem se reunir para tratar de aposta para se aproximar de eleitorado feminino

Ana Estela Haddad, mulher do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT). Foto: Adriano Vizoni/Folhapress

Publicado às 9h

Folha de SP

O PT discute a possibilidade de lançar a professora Ana Estela Haddad, mulher de Fernando Haddad, como candidata a prefeita de São Paulo no ano que vem.

Dirigentes do partido devem se reunir com Ana Estela nas próximas semanas para tratar do assunto.

Alçada a uma posição de certo destaque na campanha do ano passado, quando Haddad concorreu à Presidência, é considerada internamente como alguém que pode ajudar a arejar e a renovar um partido muito desgastado na cidade.

A disputa pela candidatura petista atualmente gira em torno de três nomes: os deputados federais Carlos Zarattini e Paulo Teixeira e também o ex-deputado Jilmar Tatto.

São figuras com longa trajetória no PT e que em algum momento já admitiram interesse em se lançar numa disputa majoritária, mas de baixa taxa de conhecimento no eleitorado mais amplo.

Ana Estela, de acordo com lideranças do partido, em razão do seu sobrenome, começaria a campanha já em outro patamar nas pesquisas.

Reforça o cenário pró Ana Estela o fato de que o partido considera que a eleição de 2020 terá cores nacionais e que gerará debates em alta fervura em torno da pauta do presidente Jair Bolsonaro.

Além do prefeito Bruno Covas (PSDB), avalia-se que outros nomes conhecidos devem disputar a eleição, como o de Henrique Meirelles (MDB), hoje secretário de João Doria no governo paulista.

O PSL, partido do presidente, cogita lançar a deputada federal JoiceHasselmann. Outro nome citado é o de Janaína Paschoal, recordista histórica de votos para a Assembleia paulista (2 milhões). Ela, porém, diz que não irá concorrer.

Nesse cenário, embora tenha sido derrotado em primeiro turno na disputa pela reeleição, Fernando Haddad poderia ser um candidato natural. Mas o ex-prefeito não quer, optando por se preservar para a sucessão presidencial, em 2022.

Outro nome discutido no partido, o do ex-ministro Aloizio Mercadante, é considerado muito identificado com a velha oligarquia petista, ainda que tenha mais traquejo que Ana Estela para debate público. O próprio Mercadante tem dito que vê com bons olhos a candidatura da professora de odontopediatria da USP.

Ela seria uma aposta do partido para se aproximar do eleitorado feminino e de suas demandas. Defensores da candidatura dizem também que ela tem uma personalidade carismática e agregadora, fazendo quase que uma contraposição à suposta arrogância pela qual o marido é criticado.

De acordo com aliados, Haddad tem manifestado certa reticência em relação ao lançamento da mulher, com quem é casado há 30 anos.

O ex-prefeito, segundo esses relatos, teme que a opinião pública fique com uma impressão negativa sobre o casal, já que os adversários explorariam a vinculação dos dois como se estivessem numa busca incessante pelo poder.

Outra preocupação que circula no partido seria com a possível falta de “punch” da professora, derivada da inexperiência, sobretudo num possível confronto com candidatos mais agressivos.

Ana Estela chegou a ser convidada no passado para concorrer para Câmara dos Deputados e para a Assembleia Legislativa de São Paulo, assim como foi chamada para ser a vice de Luiz Marinho na disputa pelo governo paulista. Declinou, mas disse que não descartava participar de uma eleição no futuro.

Embora não tenha havido ainda uma conversa oficial, líderes do PT dizem que uma máxima circula há décadas no partido: para você saber o que uma pessoa quer, não preste atenção ao que ela diz, mas ao que está fazendo.

Otimistas, apontam as participações cada vez mais frequentes da professora em eventos públicos. Na quarta-feira (27), por exemplo, esteve num debate sobre mulheres na política na USP. Além disso, tem interagido cada vez mais nas redes sociais.

Doutora em odontologia, fez o estilo primeira-dama de arregaçar as mangas quando Haddad foi prefeito, entre 2013 e 2016. Criou e tocou o projeto “São Paulo Carinhosa”, com ações voltadas à primeira infância. Desde 2003, fez parte dos ministérios da Educação e da Saúde. Foi, aliás, sua a ideia do ProUni (Programa Universidade para Todos).

O eventual lançamento de Ana Estela é visto com certa preocupação no PSDB por atrapalhar o corredor político que Bruno Covas enxerga para a eleição do ano que vem.

Definindo-se como um radical de centro, o prefeito mantém pautas tradicionalmente de direita, como a da privatização, ao mesmo tempo em que toma medidas ditas progressistas, como a criação do parque Minhocão.

Covas pretende colocar a moderação como seu principal atributo na eleição. Avalia que pode ser uma opção tanto para eleitores de centro-esquerda como para os de centro-direita.

Seus articuladores políticos, no entanto, acreditam que a candidatura Ana Estela pode prejudicar seu plano. Por ser mulher e não ter uma identificação umbilical com o PT tradicional, é vista como uma candidata com o mesmo perfil comedido de Covas.

Ana Bock, vice de Luiz Marinho na campanha para o governo em 2018, tem sido uma das principais defensoras de uma candidatura feminina.

“Na busca de uma figura feminina, seu nome [o de Ana Estela] aparece em primeiro plano, mas não sei se topará ou se o partido fechará mesmo no nome dela”, afirma.

Presidente do diretório municipal do PT, Paulo Fiorilo afirma que o partido não está pensando ainda em eleições ou em nomes, e que segue em discussões para a construção de uma oposição aos governos Covas, Doria e Bolsonaro.

Por meio de sua assessoria, Ana Estela disse à Folha que não quer falar sobre o assunto.

OUTROS COTADOS PARA A DISPUTA PELA PREFEITURA

Bruno Covas (PSDB)
Atual prefeito, herdou o cargo de João Doria (PSDB), de quem era vice; perdeu o apoio do governador ao nomear seus desafetos

Henrique Meirelles (MDB)
Hoje secretário de Doria, o ex-chefe do BC foi derrotado para Presidência, mas não desistiu da vida pública

Joice Hasselmann (PSL)
Líder do governo no Congresso, tem sido estimulada por Doria a tentar a eleição

Janaina Paschoal (PSL)
O PSL também estuda lançar a deputada mais votada da história

Márcio França (PSB)
Ex-governador e rival de Doria na última eleição estadual, já afirmou não descartar tentar o cargo

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.