Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Ouvidoria vai ouvir amigos de jovem morto por policial militar no Jaraguá

Jovem de 26 anos foi morto em frente de casa e PM alega tentativa de roubo. Para ouvidor das polícias, "é pouco provável uma pessoa tentar roubar alguém em frente a sua casa"

William, morto por PM, na Zona Oeste de SP. Foto: Arquivo pessoal

Publicado às 12h45

G1 São Paulo

A Ouvidoria da Polícia vai tomar o depoimento dos amigos de um jovem de 26 anos, morto por um PM no Jaraguá, Zona Oeste de São Paulo. O policial disse que reagiu a uma tentativa de assalto, mas testemunhas negaram a versão. O PM está em liberdade.

Os amigos conversavam em frente à porta de casa e estranharam um carro parado por um longo tempo. Quem estava no carro era um policial militar de folga.

Segundo uma testemunha, “eles foram ver o que era o carro, se era um carro abandonado alguma coisa, quando chegou lá, o cara já saiu atirando”.

William Novais Panzarini, de 26 anos, foi baleado e morreu. Ele era encarregado de setor em um supermercado e queria fazer a Faculdade de Direito.

A mãe de William ouviu os tiros e saiu correndo para ajudar. “Aí, i eu falava cadê o William, cadê o William, aí, quando eu saí, eu saí aqui e eles falaram não vai que o cara vai atirar. Aí, o cara balançava assim a arma: ‘quem vim vai levar mais’ e o pessoal tudo correndo pra cima, e ele com a arma assim ó, o policial”, disse Ivaneyde Santos Novais Panzarini.

No boletim de ocorrência, o PM Francisco Adriano de Sousa Lima contou que estava com a namorada conversando dentro do carro quando foram abordados por dois indivíduos que anunciaram o assalto. Os indivíduos fizeram menção de estarem armados. O PM diz que desceu do carro e os criminosos não recuaram e Francisco efetuou os disparos contra os criminosos. 

O boletim diz ainda que os primeiros policiais que chegaram tiraram fotos de um objeto, posteriormente comprovado que tratava-se de uma faca, que estava na cintura de William.

O pai do jovem disse que o policial atirou para matar. “Parece que deu pra matar mesmo porque os dois pegou no tórax e a gente sabe que perto do coração é mortal, ele deu mesmo pra matar. Eu acho que não tinha necessidade disso não mesmo porque as mãos dele estavam vazias”, disse Wagner Aparecido Panzarini. A arma do policial e uma faca foram apreendidas

Três amigos de William confirmaram em depoimento que o policial desceu do carro atirando.

As versões conflitantes para o crime chamaram a atenção da Ouvidoria da Polícia de São Paulo, o ouvidor, além de pedir o novo depoimento dos amigos, pediu para que a Corregedoria da PM apure a conduta policial.

“Eu acho pouco provável uma pessoa tentar um roubo executando esse roubo em frente a sua residência”, disse o ouvidor Benedito Domingos Mariano.

A Secretaria da Segurança Pública informou que todos os casos envolvendo agentes de segurança são rigorosamente apurados para constatar a legitimidade da ação policial.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.