Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

“Piso Molhado” estreia no Teatro Cacilda Becker

Ingressos são gratuitos e distribuídos uma hora antes da sessão

Foto: Priscila Prade

Publicado às 13h50

Com a proposta de criar uma reflexão sobre o lugar do outro e fazer um resgate de um sentimento de brasilidade, o espetáculo Piso Molhado, com texto de Ed Anderson e direção de Mauro Baptista Vedia, estreia no Teatro Cacilda Becker para uma temporada gratuita entre 5 e 28 de julho, a montagem foi contemplado pela 8ª Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro para a Cidade de São Paulo — Secretaria Municipal de Cultura. O elenco conta com a participação de Patrícia Gasppar, Helio Cicero, Carlos Palma e Valéria Pedrassoli.

A trama apresenta encontro entre três personagens singulares: uma cantora, um pianista e um encanador.

Essas personagens não conseguem escapar do caos urbano e das próprias neuroses, mas apresentam doses ácidas de autocrítica. São elas: a cantora decadente Selma, que guarda uma coleção de aranhas em uma caixa de papelão; o velho pianista Tony, que vive desencantado com a realidade presente e tem saudade do passado; e o sarcástico encanador Osvaldo, que não tem um emprego fixo e, por isso, precisa enfrentar todos os obstáculos impostos pela cidade para conseguir sobreviver em seus bicos diversos.

“Tentei transpor ao papel a urgência que sentia em abordar sentimentos de algumas minorias e friccionar as suas vozes com o momento atual que vivemos, proporcionando uma reflexão sobre o lugar do outro e de como a arte pode ser uma vitamina para fortalecer o cotidiano. Estão presentes nos diálogos as relações de sobrevivência; questões da memória afetiva e o humor ácido e melancólico dos personagens que transitam anonimamente pelo asfalto, com as suas mazelas e encantamentos tendo cuidado com os pisos molhados ao recordar as várias quedas sofridas”, comenta o autor Ed Anderson sobre o processo de escrita do texto.

Segundo o diretor Mauro Baptista Vedia, a peça busca referências no universo da cultura dos anos de 50 e 60, sobretudo em como essa década é retratada na música, na tv e no cinema. “Buscamos como referência cantores da MPB, como Dalva de Oliveira, Maysa, Dolores Duran, Nelson Gonçalves e Cartola”.“

Esse apelo à cultura brasileira é uma característica marcante no espetáculo. “A peça é um cabaré, quase um musical, porque inserimos trechos de várias músicas. Procuramos resgatar uma Era de Ouro da Cultura Brasileira e a brasilidade justamente neste momento em que o país passa por um momento de baixa autoestima”, acrescenta o diretor.

A encenação busca trabalhar com uma artesania da cena. “Tento trabalhar frase por frase, cena por cena, cada tempo. Nesse trabalho árduo cada momento é especial e temos uma marcação diferente para cada momento de revelação para o espectador. Vamos juntando pedacinho por pedacinho, como se fossem microcenas. A partir daí identificamos momentos dramáticos, épicos e líricos no texto. E juntamos com outras características mais permanentes do meu trabalho, como a minha obsessão pela composição plástica – enceno sempre como se tivesse uma câmera de cinema. Também tento não colocar os atores em linha no palco, mas em diagonais, usando a profundidade da cena e procuro fazer marcações suaves”, revela o diretor.

 

Serviço

“Piso Molhado”, de Ed Anderson

Onde: Teatro Cacilda Becker – Rua Tito, 295 – Lapa
Quando: de 5 a 28 de julho, às sextas e aos sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h
Quanto: grátis, distribuídos uma hora antes da sessão

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.