Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Programa habitacional de Doria vai financiar obras da iniciativa privada

Construídos em terrenos das prefeituras, empreendimentos terão parte das unidades de moradia popular

O governador de SP, João Doria (PSDB), almoça feijoada no Palácio dos Bandeirantes, após reunião com o secretariado, neste sábado (2). Foto: Paulo Guereta/Photo Premium/Folhapress

Publicado às 9h

Folha de SP

​O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou na manhã deste sábado (2) programa habitacional que irá financiar a construção de empreendimentos da iniciativa privada com parte das unidades destinadas para a moradia popular.

A partir de terrenos doados pelas prefeituras e com isenção fiscal, as construtoras que erguerem os empreendimentos vão poder oferecer parte das unidades ao mercado após cumprirem a cota mínima prevista pelo programa para atender a população de baixa renda.

O percentual será calculado a partir do preço de referência de cada empreendimento, a ser definido de acordo com a localização. Foi estabelecido um percentual mínimo de 30% das unidades de cada construção ao programa.

Dessa forma, o governador prometeu entregar 60 mil unidades habitacionais em todo estado em até quatro anos. O programa Nossa Casa irá demandar investimento de R$ 1 bilhão, segundo o governador. “Cerca de 250 mil pessoas que não têm casa própria passarão a ter”, disse. Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas, o estado tem um déficit habitacional de 1,8 milhão de unidades.

Os beneficiados serão selecionados pelas prefeituras de acordo com a renda e terão prioridade as famílias que recebem auxílio-moradia ou vivem em áreas de risco. Cada uma irá receber um cheque-moradia no valor de R$ 30 mil e arcar com o financiamento de até R$ 60 mil em parcelas de R$ 450 mensais.

Segundo a gestão Doria, o programa vai permitir redução do custo das unidades para a população de baixa renda a partir da negociação de preços e condições especiais com as incorporadoras.

A prioridade de investimento será para a região metropolitana de São Paulo, onde há maior déficit habitacional, segundo a gestão Doria. “É [um programa] complementar aos programas que já existem”, disse o secretário Flávio Amary, que é diretor-executivo do Secovi, sindicato da construção civil.

TEMPO CONTADO

Na entrevista à imprensa realizada na sede do governo paulista, Doria delimitou em até 30 segundos as falas dos secretários durante anúncios de programas nas áreas da Saúde, Habitação e Educação. O governador, porém, extrapolou o cronômetro ao responder pergunta sobre balanço do primeiro mês de governo. “Vou ter que ser sucinto para [avaliar] 30 dias em 30 segundos”, disse o governador.

Doria também comentou a excepcionalidade de ter feito os anúncios em um sábado. “A nossa reunião de secretariado, excepcionalmente, foi realizada hoje, tendo em vista que ontem [sexta-feira] eu estava em Brasília para a posse dos congressistas.”

Neste sábado, a gestão Doria anunciou também a contratação de 3.230 professores para a rede estadual neste início de ano letivo.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.