Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Reclamações por atraso dos trens na CPTM e no Metrô de SP crescem 25%

Em um ano, a quantidade de queixas entre janeiro e outubro saltou de 384 para 479

Passageiros tentam entrar em trem da CPTM na estação Pinheiros. Foto: Kevin David/Futura Press/Estadão Conteúdo

Publicado às 11h05

G1 São Paulo

As reclamações por atraso nos trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e do Metrô de São Paulo cresceram 25% entre janeiro e outubro deste ano na comparação com o mesmo período de 2017.

Em um ano, a quantidade de queixas saltou de 384 para 479. É o que apontam dados exclusivos dos serviços de recebimento de relatos de passageiros por mensagem de celular, os chamados SMS-Denúncia, das duas empresas, obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

De acordo com os números oficiais, a alta foi puxada pelo aumento das queixas de passageiros da CPTM. Entre janeiro e outubro deste ano, a empresa de trens metropolitanos registrou 357 queixas por atraso de seus passageiros, o que representa um aumento 35% na comparação com as 264 reclamações contabilizadas no mesmo período de 2017. Já o Metrô registrou uma pequena alta, de 2%, no mesmo comparativo: de 120 para 120 relatos por atraso.

Administradas pela Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos, do governo de Estado de São Paulo, o Metrô de São Paulo e a CPTM são as maiores empresas de transporte metropolitano em números de passageiros transpotados do país. Por dia útil, em 2018, o metrô transportou 3,690 milhões de passageiros; já a CPTM transportou, também por dia útil, uma média de 3,1 milhões de passageiros.

Em nota, a CPTM diz que “o aumento no número de usuários impactou no tempo de embarque e desembarque nos horários de pico e no número de reclamações. Entre janeiro e outubro de 2018, foram transportados 720.236.355 usuários – um crescimento de 4,7% em relação ao mesmo período do ano passado”.

Já o Metrô afirma que “sobre as reclamações de atrasos ou anormalidades detectadas via SMS em 2017 e 2018, em torno de 120 ou 122, esses valores só reforçam o reconhecimento e a percepção extremamente positiva do usuário sobre a qualidade e agilidade do sistema, já que representa 0,000012% dos mais de 1 bilhão de passageiros transportados por ano pelo Metrô”.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.