Notícias e informações relevantes para os moradores da região noroeste da cidade de São Paulo

Sistema Cantareira completa 3 meses em estado de alerta

Média histórica de chuvas do mês de outubro foi superada, mas especialista alerta que ainda é insuficiente; consenso é o de que população precisa economizar

O Cantareira este ano: apesar da natureza lutar por uma recuperação, nível da água está momento de alerta. Foto: Adriano Rosa

Publicado às 10h35

G1 São Paulo

O Sistema Cantareira completa nesta quinta-feira (1º) três meses em estado de alerta – ou seja, operando com volume igual ou menor do que 40%. De acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), nesta quarta-feira, o volume era de 34,5%.

No dia 28 de julho, o sistema passou a operar com 40% de capacidade. O estado de alerta passa a valer no primeiro dia do mês seguinte. Na prática, a determinação do estado de alerta reduz a quantidade de água que a Sabesp pode retirar do manancial de 31 mil litros por segundo para 27 mil litros por segundo.

O Cantareira é o maior reservatório de água da região metropolitana e abastece cerca de 7,5 milhões de pessoas por dia, 46% da população da região metropolitana de São Paulo, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), orgão que regulamenta o setor.

Nos últimos 13 meses, a Companhia diz ter poupado mais de 27% do que estava autorizada a retirar do sistema. Se não tivesse adotado a medida, segundo a Sabesp, o Cantareira estaria atualmente com 6% da capacidade, não com 34,6%.

Chuvas insuficientes

De acordo com a Companhia, a pluviometria acumulada em outubro no Cantareira é de 192,9 mm, já superando a média histórica para o mês, que é de 129,4 mm.

Para o professor da USP Pedro Côrtes, embora as chuvas tenham ficado bem acima da média, o nível do Sistema Cantareira subiu apenas 0,7% entre 01/10 e 29/10.

“Isso serve de alerta, pois outubro é um mês de recarga do Sistema Cantareira. É necessário reforçar a manutenção das boas práticas, priorizando o uso racional da água. É importante economizar água, pois se a recarga ficar abaixo do necessário poderemos enfrentar uma situação mais crítica a partir de março de 2019”, diz ele.

A Sabesp também alerta para a necessidade de economia de água por parte da população. “É essencial que a população mantenha sempre os hábitos de consumo consciente de água, evitando o desperdício”, disse em nota.

Estado de alerta

De acordo com a Sabesp, a diminuição do volume de água retirada não influencia na operação da empresa, porque a companhia já vem economizando e retirando menos água do que o limite máximo estipulado pela ANA.

De acordo com a Sabesp, desde 2014, houve um investimento de R$ 6,8 bilhões em 36 grandes obras que garantem o abastecimento da capital e da Grande São Paulo. Entre as maiores, a interligação Jaguari-Atibainha e o novo Sistema São Lourenço.

A Companhia também diz ter aumentado seu sistema flex, que interliga as represas e os reservatórios.

Deixe uma mensagem

Seu e-mail não será publicado.